Freud se junta a vidente e detetive para caçar serial killer em nova série da Netflix

Abordagem da série divide opiniões na web
Abordagem da série divide opiniões na web

Quando se fala em Sigmund Freud, talvez a última coisa que se pense é uma caçada a um serial killer com apoio de uma vidente e um detetive policial. Bem, em "Freud", nova série da Netflix, o roteiro é este, doa a quem doer. Lançada nesta segunda-feira (23), a produção está gerando uma onda de comentários diferenciados nas redes socais, que se dividem entre estudiosos do filósofo decepcionados com a abordagem da série e outras milhares de pessoas empolgadas com mais uma produção misteriosa disponível na rede de streaming, que não fez muito alarde para o novo lançamento. 

No Brasil, por exemplo, a plataforma sequer publicou o trailer legendado no canal no YouTube, mas já exibe a produção em destaque no catálogo, chamando atenção de quem estava mais esperto pela manhã. Na trama, Freud (Robert Finster) aparece em plena juventude, unindo-se a uma médium (Ella Rumpf) e a um inspetor da polícia (Georg Friedrich) na Viena do século 19, em busca de um perigoso Serial Killer que devasta a região.

Marvis Kren foi responsável pela direção de todos os oito episódios da primeira temporada de Freud, além de ser um dos criadores, ao lado de Stefan Brunner e Benjamin Hessler. Segundo o portal Heaven Horror, a nova série pode ser equiparada a "The Alienist" e vale o tempo para quem gosta de um "bom thriller policial" e aproveita para elogiar a atuação de Rumpf, que é apontada pela resenha como provável personagem predileta dos espectadores, graças ao "seu retrato muito intenso e envolvente da personagem". 

Confira algumas reações dos internautas após o lançamento de Freud:

Comentários

Leia também