Facebook remove anúncio de Trump com triângulo vermelho invertido, usado no passado como símbolo nazista

O anúncio apresentava um triângulo vermelho invertido, semelhante ao usado pelos nazistas para designar prisioneiros políticos em campos de concentração.
O anúncio apresentava um triângulo vermelho invertido, semelhante ao usado pelos nazistas para designar prisioneiros políticos em campos de concentração.
PorCarol Souza19/06/2020 11h45

Que o presidente dos EUA Donald Trumo tem sido o centro de diversas polêmicas nos últimos dias, isso não há dúvidas. Se preparando para as eleições de novembro, em meio a protestos imensos contra o racismo no país e a forma truculenta da polícia contra a comunidade negra, aparentemente Trump deixou de lado sua "delicadeza" em mostrar o que talvez seja sua verdadeira ideologia.

Com declarações no mínimo duvidosas nas últimas semanas, Trump parece não estar mais nem mesmo preocupado em fingir esconder seus modos racistas: ele priorizou proteger as estátuas da era Confederada acima da proteção sobre as vidas humanas negras, e respondeu aos protestos da "Black Lives Matter" rotulando seus participantes como "bandidos", ameaçando até abrir fogo contra eles com munição real!

E, durante todo esse tempo, sua campanha tem exibido anúncios sobre sua corrida presidencial que, literalmente, usam imagens diretamente inspiradas na Alemanha nazista.

Como o Washington Post relata, o Facebook precisou remover uma série de postagens e anúncios de Trump denunciados pelos usuários da rede social por violar a política da empresa contra o "ódio organizado". O material em questão apresentava um triângulo vermelho invertido, semelhante ao usado pelos nazistas para designar presos políticos em campos de concentração.

O texto anexo dizia: "HORDAS perigosas de grupos de extrema esquerda estão correndo por nossas ruas e causando um caos absoluto. Eles estão destruindo nossas cidades e causando tumultos - é loucura absoluta. É importante que TODOS os Americanos se reúnam em um momento como esse para enviar uma mensagem unida de que não apoiaremos mais suas ações radicais".

Um porta-voz do Facebook disse ao Washington Post que os anúncios foram retirados porque "nossa política proíbe o uso do símbolo de um grupo de ódio usado para identificar presos políticos sem o contexto que condena ou discute o símbolo".

Um porta-voz da campanha de Trump disse que o triângulo vermelho era simplesmente uma referência à Antifa, a organização - que não é bem uma organização - de ativistas antifascistas que os republicanos vincularam à sequências de violência em meio aos protestos da "Black Lives Matter". Mas os registros de prisões federais mostram pouca ou nenhuma evidência de agitadores da Antifa, de acordo com o The New York Times. Por outro lado, vários extremistas de extrema direita foram presos por incitar a violência.

De sua parte, a Liga Anti-Difamação condenou as imagens como "ofensivas e profundamente perturbadoras" em uma declaração ao The Washington Post. "Não é difícil criticar seu oponente político sem usar imagens da era nazista", afirmou Jonathan Greenblatt, CEO da ADL. "Imploramos à campanha de Trump que tome mais cuidado e se familiarize com o contexto histórico antes de fazê-lo. A ignorância não é uma desculpa para se apropriar de símbolos de ódio".

Confira uma postagem da "Bend the Arc: Jewish Action" que comparou e condenou o uso do símbolo alegando que "suas máscaras estão caindo", em referência à Trump e ao governo americano, abaixo:

+Facebook

Comentários

Sobre o autorCarol Souza
Amante do cinema, dos livros e apaixonadíssima pelo bom e velho rock n'roll. Amo escrever e escrevo sobre o que amo. Ativista da causa feminista e bebedora de café profissional. Instagram: @barbooosa.carol