Neymar se considera 'traído' pela Nike em meio às acusações de assédio sexual

O atleta declarou indignação nas redes sociais e considerou 'ironia do destino' continuar vestindo a camisa do PSG com a marca da Nike estampada no peito
O atleta declarou indignação nas redes sociais e considerou 'ironia do destino' continuar vestindo a camisa do PSG com a marca da Nike estampada no peito
Marcos Henderson
PorMarcos Henderson

Após a revelação do Wall Street Journal de que a Nike havia rompido a parceria com Neymar por causa das investigações de assédio sexual contra o jogador do Paris Saint-Germain, ele decidiu utilizar as redes sociais para publicar uma manifestação sobre a situação, acusando a empresa de traição. 

"Até entendo quando alguém faz uma crítica sobre minhas condutas, minha forma de jogar e de viver a vida. Somos diferentes! Eu realmente não entendo como uma empresa séria pode distorcer uma relação comercial que está apoiada em documentos. As palavras escritas não podem ser modificadas. Elas sim são muito claras", afirmou Neymar, dando a entender que poderá abrir uma disputa judicial contra a Nike. 

A alegação da marca para romper o contrato gira em torno de uma suposta ausência de auxílio do atleta para contribuir nas investigações do caso de assédio. Neymar afirma que está indignado mas vai obedecer à determinação.

Para justificar sua acusação de traição, o astro do PSG afirma que nunca foi informado sobre o assunto pela Nike, que já teria conhecimento das investigações desde 2016. 

"Em 2017 viajei novamente para os EUA para campanha publicitária, com as mesmas pessoas, nada me contaram, nada mudou! Em 2017, 2018, 2019 fizemos viagens, campanhas, inúmeras sessões de gravação. E nada me contaram. Um assunto com tamanha gravidade e nada fizeram", disparou Neymar. 

"Não me deram a oportunidade de me defender. Não me deram a oportunidade de saber quem é essa pessoa que se sentiu ofendida. Eu nem a conheço. Nunca tive nenhum relacionamento. Não tive sequer oportunidade de conversar, saber os reais motivos da sua dor. Essa pessoa, uma funcionária, não foi protegida. Eu, um atleta patrocinado, não fui protegido", completou o jogador, que considerou "ironia do destino" continuar vestindo a camisa do PSG com a marca da Nike estampada.