Diário 24 Horas

SPTrans cria linhas especiais de ônibus durante a greve dos metrôs em SP

Uma frota de 200 ônibus está fazendo a ligação entre estações de metrô e o centro de São Paulo
Uma frota de 200 ônibus está fazendo a ligação entre estações de metrô e o centro de São Paulo
Marcos Henderson
PorMarcos Henderson

A São Paulo Transporte (SPTrans) criou linhas especiais de ônibus para atender à demanda da população durante a greve dos metrôs em São Paulo. O esquema, criado após o acionamento do Plano de Atendimento entre Empresas em Situação de Emergência (Paese) na madrugada desta quarta-feira (19), atende os passageiros com uma frota total de 200 coletivos, ligando as estações de metrô afetadas pela greve à região central. 

Quatro linhas do Metrô de São Paulo estão funcionando parcialmente nesta manhã. A Linha 1 (Azul) está funcionando entre as estações Ana Rosa e Luz, enquanto a Linha 2 (Verde) funciona entre entre Alto do Ipiranga e Clínicas. Já a Linha 3 (Vermelha) está funcionando entre as estações Bresser-Mooca e Santa Cecilia. A Linha 15 (Prata) está totalmente fechada, e as linhas 4 (Amarela) e 5 (Lilás) operam normalmente, junto com as linhas da CPTM. 

A greve dos metroviários foi aprovada com início imediato a partir das 0h de hoje e 77,4% de aprovação dos metroviários que participaram da assembleia que discutia oficialmente a paralisação. No entanto, uma liminar da Justiça do Trabalho emitida em 14 de maio obriga que 80% dos trabalhadores assumam seus postos durante o horário de pico, e 60% nos demais horários. 

Pela manhã, o secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, afirmou que o governo de São Paulo está negociando um reajuste de 2,6% nos salários dos metroviários, levando-se em conta as dificuldades orçamentários em meio à pandemia de Covid-19. 

"Mesmo em todo esse momento de dificuldade ao longo de 2020 onde o Metrô aportou quase R$ 1 bilhão para manter seus salários em dia, manter toda a operação funcionando. E em 2021 gastou R$ 300 milhões do governo do estado para que dentro dessas circunstâncias oferecer ainda um reajuste de 2,6% e ainda manter os benefícios para que nós evitássemos a paralisação”, afirmou Baldy nesta quarta-feira. 

ComentáriosO que você achou?
SP
Últimas