Diário 24 Horas

'Voluntário' de comitê do PSB em BH diz esperar salário

'Voluntário' de comitê do PSB em BH diz esperar salário
Diário 24 Horas
PorDiário 24 Horas
"Estou contando com isso (dinheiro). O que move a gente a trabalhar, é isso", respondeu o pedreiro Hélio Castro, responsável pelo comitê "voluntário" do presidenciável Eduardo Campos (PSB), ao ser questionado, nesta segunda-feira, 28, ao sair do serviço, se receberia ajuda financeira para fazer campanha na capital mineira. Ao lado da esposa Cicléia, dona de casa, Castro é o proprietário do imóvel onde foi instalada a "Casa de Eduardo e Marina", no bairro do Taquaril, na periferia da cidade.

Defensora do "engajamento político", a ex-senadora Marina Silva, vice na chapa de Campos, propaga a ideia de que as chamadas casas de "Eduardo e Marina" funcionarão, ao longo da campanha, de forma voluntária e com a participação de pessoas que "compartilhem" das suas ideias e das de Campos. "Ué, mas não dá para ficar por conta sem receber. Além do mais, (dinheiro) isso faz a gente trabalhar com mais alegria", ressaltou Castro, descartando a possibilidade de fazer campanha de graça.

O pedreiro, que tem um filho de 23 anos e uma filha de 16, disse que combinou com os dirigentes do partido que o filho Lucas "ficará por conta" da campanha, mas não quis falar de valores. Castro, inclusive, disse que Lucas fará a campanha de carro, "para facilitar". "Mas isso tem o custo da gasolina, da alimentação. Fora que meu filho ficará à disposição", garantiu o pedreiro.

Marina Silva inaugurou o comitê, em Belo Horizonte, no último dia 22. Até agora, segundo Castro, nenhum material de campanha foi enviado para a sua casa no bairro do Taquaril, na região Leste. Ele aguarda os materiais e a ajuda financeira para iniciar o trabalho. Porém, nem na sede do PSB em Minas ninguém sabe informar quando os materiais vão chegar. No partido, a desinformação sobre o funcionamento da "Casa Maria e Campos" é grande. Ninguém quis falar sobre o modo de como os comitês vão funcionar e nem sobre possíveis remunerações.

ComentáriosO que você achou?
Política
Últimas