Max von Sydow, lendária estrela de "O Exorcista", morre aos 90 anos

O ator sueco indicado ao Oscar também era conhecido por seus papéis em 'O Sétimo Selo', 'Flash Gordon' e 'Game of Thrones'.
O ator sueco indicado ao Oscar também era conhecido por seus papéis em 'O Sétimo Selo', 'Flash Gordon' e 'Game of Thrones'.

O lendário astro Max von Sydow, ator sueco indicado ao Oscar que estrelou mais de 100 filmes e séries de TV, morreu aos 90 anos neste último domingo (08), segundo informações divulgadas pela Variety.

Com uma carreira que durou décadas, tanto no palco quanto na tela, von Sydow apareceu em inúmeros filmes americanos e europeus de alto nível. De "O Sétimo Selo" de Ingmar Bergman ao "O Exorcista" de William Friedkin e ao "Minority Reporter" de Steven Spielberg, von Sydow foi um dos artistas mais emblemáticos de Hollywood.

Nascido Carl Adolf von Sydow em uma rica família prussiana, o ator sueco passaria a frequentar a Escola da Catedral de Lund, onde ele e seus amigos formariam uma companhia de teatro amador. Depois de concluir seu serviço nacional, ele se matriculou no Royal Dramatic Theatre de Estocolmo, treinando de 1948 a 1951 e aparecendo na tela em filmes como "Only a Mother" de 1949 e "Miss Julie" de 1951.

Ao se mudar para Malmö em 1955, von Sydow conheceu o diretor Ingmar Bergman, que se tornou seu mentor. Os dois trabalharam juntos no palco do Teatro Municipal de Malmö antes de colaborar na tela em "O Sétimo Selo de 1957", no qual von Sydow jogaria xadrez com a Morte. Essa parceria durou mais de 11 filmes, incluindo os "Wild Strawberries" de 1957 e a "Virgin Spring" dos anos 60.

Embora ele inicialmente tenha resistido às garras perigosas de Hollywood, von Sydow faria sua estréia nos EUA ao interpretar Jesus no épico de George Stevens de 1965, "The Greatest Story Ever Told". A partir daí, ele se tornaria sinônimo da elite de Tinseltown, passando a estrelar "Hawaii" de 1966, "The Kremlin Letter" de 1970, "The Exorcist" de 1973 e "Three Days of the Condor" de 1975. Mesmo assim, von Sydow ainda se concentrou em filmes europeus, continuando a trabalhar com Bergman e autores similares.

Nos anos 80, no entanto, von Sydow havia passado a atuar em alguns dos maiores espetáculos populares de Hollywood. Ele interpretou Ming the Merciless em "Flash Gordon", de 1980, King Osric, em "Conan, o Bárbaro", em 1981, e Doctor Kynes, na ambiciosa adaptação científica de 1984 de David Lynch, de "Dune". E depois de recusar o "Dr. No", ele acabou estrelando ao lado de Sean Connery o remake de 007 "Never Say Never Again".

No final da década, von Sydow conseguiu uma indicação ao Oscar de "Melhor Ator" por sua atuação em "Pelle, o Conquistador", em 1987. Dois anos depois, ele interpretou outro conquistador em "Ghostbusters II", no qual ele dublou a pintura assombrada de Vigo, o Cárpato.

Os anos 90 foram uma época cada vez mais rica para von Sydow. Depois de dar as dicas de "Awakenings", de Penny Marshall, ele trabalharia com Lars von Trier em "Europa", com Wim Wenders em "Até o Fim do Mundo", além de inúmeras produções europeias. Mais uma vez, porém, ele nunca desviou os olhos do trabalho de gênero, e nesta década viu alguns de seus papéis mais suculentos se desenrolarem, particularmente como Leland Gaunt na adaptação de 1993 de "Needful Things" de Stephen King, Judge Fargo no "Juiz Dredd" de 1995 e The Tracker em 1998 em "What Dreams May Come".

As histórias provaram ser igualmente prolíficas para von Sydow. Ele colaborou com Dario Argento em "Sleepless", de 2001, deu uma virada vilã no thriller de ficção científica de Steven Spielberg em 2002, "Minority Report", ficou deprimido por "The Diving Bell and the Butterfly" de 2007, parado por "The Tudors" da Showtime por quatro episódios e passou os anos 2010 com lendas como Martin Scorsese (Shutter Island) e Ridley Scott (Robin Hood).

A década passada foi igualmente movimentada para o ator veterano, embora em papéis menores. Houve sua performance de "Melhor Ator Coadjuvante" indicado ao Oscar como O Alugador em "Extremely Loud & Incredibly Close" de 2011, seu suspiro de dois minutos na produção de J.J. Abrams, "The Force Awakens" em 2015 e, mais recentemente, sua participação de três episódios como o Corvo de Três Olhos em "Game of Thrones", da HBO, em 2016.

Isso tudo, sem mencionar as dezenas e dezenas de papéis em filmes, episódios de TV e performances de palco aclamados pela crítica. Ou mesmo seus trabalhos de diretoria, que também receberam elogios.

Em suma, von Sydow era um ícone, cortado e esculpido com perfeição em uma era que há muito tempo nos passou. Desde adiar a Morte com peças de xadrez até levar a Morte a pequenas cidades no Domínio do Rei, ele inevitavelmente encontrou seu oponente. Ele deixa sua segunda esposa, Catherine Brelet, e seus quatro filhos.

Leia também