De acordo com autoridades, ataque no sul da Inglaterra foi terrorista

A polícia segue investigando as motivações do ato considerado terrorista
A polícia segue investigando as motivações do ato considerado terrorista
PorBruna Pinheiro21/06/2020 11h50

Na noite de sábado (20) três pessoas morreram e mais sete ficaram feridas após serem esfaqueadas por um homem de 25 anos em um parque na cidade de Reading, no sul da Inglaterra. A polícia britânica informou que o caso ocorreu no Parque Forbury Gardens e prendeu o suspeito.

No mesmo local, durante a manhã, ocorria um protesto antirracista do movimento "Black Lives Metter" (Vidas Negras Importam), mas segundo a polícia não há relação que o crime tenha ocorrido em função dos protestos. 

De acordo com testemunhas, o homem chegou ao local esfaqueando as pessoas que se encontravam sentadas no gramado do parque. O caso ocorreu por volta das 19h, na cidade de Reading, que fica a cerca de uma hora de Londres e as autoridades solicitaram que todos permanecessem longe do local para investigações. Mesmo assim, vários vídeos circularam pelas redes sociais de pessoas esfaqueadas.

Após a prisão, o ato foi classificado como terrorista e, de acordo com o comissário assistente da Polícia Metropolitana Neil Basu em entrevista a BBC, não há indícios de que outra pessoa tenha participado do crime. A identidade do homem não foi divulgada, mas a Press Association informou que o suspeito preso é morador da cidade. requerente de asilo da Líbia e ainda não se sabe sobre a motivação do ataque.

De acordo com a BBC, mais de 40 testemunhas do crime procuraram a polícia para colaborar com as investigações do caso. O primeiro-ministro, Boris Johnson, escreveu no Twitter sobre o caso: "Meus pensamentos estão com todos os afetados pelo terrível incidente em Reading e meus agradecimentos aos serviços de emergência".

+Internacional

Comentários

Sobre o autorBruna Pinheiro
Internacionalista. Escrevo hoje sobre política, economia, filmes e séries. Adoro viajar e comer (não necessariamente nessa ordem). Segue lá @bpinheiro1