Paulo Guedes promete 4 privatizações e Reforma Tributária nos próximos 90 dias

Ministro garante que privatizações acontecerão em breve, mas não deu detalhes sobre as companhias. Foto: Edu Andrade/ASCOM/ME
Ministro garante que privatizações acontecerão em breve, mas não deu detalhes sobre as companhias. Foto: Edu Andrade/ASCOM/ME
PorMarcos Henderson06/07/2020 11h30

De 60 a 90 dias, o Brasil "vai surpreender o mundo". É o que o ministro da Economia, Paulo Guedes, aposta. Em entrevista à CNN, ele falou sobre os planos futuros do governo e dedicou seu tempo no ar para prometer pelo menos quatro privatizações nos próximos 90 dias, além da aprovação da Reforma Tributária até o final do ano, sem dar detalhes sobre quais companhias estão na mira, mas reconheceu que as privatizações não caminharam conforme pretendido até o momento. 

“A prioridade no início era Previdência, mudança de mix entre regime fiscal e monetário, e mudar trajetória dos salários do funcionalismo, que cresciam muito acima da inflação”, disse o braço direito do presidente Jair Bolsonaro. Para ele, a corrida a favor das privatizações representará uma significativa evolução ao país. “Estados se matam perdendo receita, indústria se perde correndo atrás de subsídio, e resultado é um desastre. Então não contem conosco para continuar no mesmo jogo equivocado que vocês [indústria automotiva] têm feito. Agora vai ser diferente", disse o ministro, que pretende manter um crédito de curto prazo para o setor automotivo, com garantia matriz. 

Questionado sobre qual Reforma Tributária será apresentada ao Congresso, Guedes preferiu não revelar maiores detalhes mas voltou a defender o temido CPMF digital, que cria novos impostos para transações realizadas em ambiente digital. O discurso do ministro reforça suas críticas pessoais à economia social-democrata, incluindo, também, os cinco últimos anos de dirigismo econômico da ditadura militar como um dos alicerces negativos da atual situação econômica do país. Para ele, é necessário apostar em uma reforma tributária liberal-democrata que gere maiores tributos para pessoas físicas ricas e uma diminuição considerável para empresas, pois, assim, seria possível gerar mais empregos, segundo Guedes.

+Economia

Sobre o autorMarcos Henderson
Publicitário, músico e, aqui, escrevo sobre o que as diferentes culturas têm a nos dizer. Como artista, celebro a força da arte e conto histórias do entretenimento. Twitter: @marhoscenderson