Justiça por Mari Ferrer: internautas se indignam após juiz absolver homem acusado de estuprar jovem em boate

O caso ocorreu em 2018 e seguia na justiça.
O caso ocorreu em 2018 e seguia na justiça.
PorBruna Pinheiro10/09/2020 16h35

Nesta tarde de quarta-feira (9) o Juiz da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, Rudson Marcos, absolveu o réu André Camargo Aranha, acusado pela jovem blogueira Mariana Ferrer de estupra-la em um beach club na capital catarinense.

Mari Ferrer levou o ocorrido à internet meses após denunciá-lo formalmente as autoridades e não conseguir o retorno esperado por ela e pela família da justiça. O caso ocorreu em 2018 e tem, desde o início, bastante atenção das redes sociais que lutam com a blogueira para que seu caso seja solucionado pela justiça, em especial com a prisão do acusado.

Segundo ela, no dia 15 de dezembro estava trabalhando como embaixadora no beach club Café de la Musique, juntamente com amigas. Por sua visibilidade nas redes sociais como modelo, a jovem era contratada por empresas do ramo para promover os locais. "Não é nada fácil ter que vir aqui relatar isso. Minha virgindade foi roubada de mim junto com meus sonhos. Fui dopada e estuprada por um estranho em um beach club dito 'seguro e bem conceituado' da cidade", relatou.

Conheça mais sobre o caso:

O acusado foi indiciado em 2019 e, de acordo com a revista Marie Claire, comprovou-se que houve conjunção carnal no caso de Mariana, ou seja, introdução completa ou incompleta do pênis na vagina da vítima, além da confirmação da ruptura do hímen de Mari e sêmen do homem de 43 anos nas roupas íntimas dela.

Apesar das evidências, a Justiça considerou a versão dos fatos do empresário e seus advogados, que sustentam que ele nunca teria tido contato físico com a vítima. Em sua sentença de absolvição, o juiz relata que "[...] como as provas acerca da autoria delitiva são conflitantes em si, não há como impor ao acusado a responsabilidade penal, pois, repetindo um antigo dito liberal, 'melhor absolver cem culpados do que condenar um inocente'. A absolvição, portanto, é a decisão mais acertada".

Os advogados de Mariana Ferrer levaram ao tribunal um vídeo em que a jovem vai até o local onde ocorre o estupro, sendo levada pelo réu pela mão, e com dificuldades para se locomover até ao local. Entretanto, o juiz considerou que "a ofendida durante todo o percurso mantém postura firme, marcha normal, com excelente resposta psicomotora, cabelos e roupas alinhados e, inclusive, mesmo calçando salto alto, consegue utilizar o aparelho telefônico durante todo o percurso". Para ele, há "versões controvertidas" sobre o caso, não sendo possível julgar quem dos dois faltou com a verdade.

Além de anônimos, famosos também estão apoiando Mari Ferrer nas redes sociais, pois acreditam contraditória a postura do juiz diante dos fatos apresentados pela acusação. O réu, homem, branco, rico, bem circulado no meio social da cidade, é caracterizado por seus acusadores na internet de mais um caso onde prevalece a misoginia, o poder do homem e seus privilégios sobre a mulher.

+Justiça

Comentários

Sobre o autorBruna Pinheiro
Internacionalista. Escrevo hoje sobre política, economia, filmes e séries. Adoro viajar e comer (não necessariamente nessa ordem). Segue lá @bpinheiro1