Diário 24 Horas

Sputnik V: Vacina russa tem eficácia de 91,6% contra Covid-19

Os resultados preliminares são baseados na análise de dados de mais de 20.000 voluntários
Os resultados preliminares são baseados na análise de dados de mais de 20.000 voluntários
PorMarcos Henderson

A vacina Sputnik V, desenvolvida na Rússia, tem 91,6% de eficácia contra o coronavírus sintomático, sugeriram resultados de testes provisórios. Os resultados preliminares são baseados na análise de dados de mais de 20.000 voluntários, divididos entre doses reais do composto e placebo. 

Nenhum evento adverso sério foi considerado associado à vacinação, e a maioria dos efeitos colaterais relatados foram leves, incluindo sintomas semelhantes aos da gripe, dor no local da injeção e fraqueza ou baixa energia, escreveram os pesquisadores no jornal The Lancet.

A vacina, que é apoiada pelo Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), é administrada em duas injeções com 21 dias de intervalo. Nos 21 dias após a primeira dose, ocorreram 16 casos de Covid-19 nas 14.964 pessoas (0,1%) no grupo da vacina e 62 casos da doença nos 4.902 indivíduos (1,3%) no grupo do placebo.

O ensaio incluiu 2.144 participantes com 60 anos ou mais; neste subconjunto, a vacina teve 91,8% de eficácia contra doenças sintomáticas.

A Sputnik V é baseada em uma versão modificada do adenovírus, um vírus do resfriado comum. Ele é adaptado para transportar instruções genéticas para fazer a proteína do pico do coronavírus, que é transmitida às células humanas. A proteína de pico do coronavírus fabricada então dispara uma resposta imune para proteger contra Covid-19.

A vacina usa dois adenovírus humanos diferentes para tentar desencadear uma resposta imunológica mais forte e de longo prazo. O emprego de um vetor diferente para a segunda dose é projetado para diminuir o risco de o sistema imunológico desenvolver resistência ao vetor inicial.

Esta análise inclui apenas casos sintomáticos de Covid-19, alertaram os pesquisadores, observando que mais pesquisas são necessárias para compreender os efeitos da vacina em casos assintomáticos e na transmissão. Além disso, os pacientes foram acompanhados por até 48 dias após a primeira dose, portanto, a durabilidade da proteção também precisa ser vista.

Quatro mortes foram relatadas durante os estudos. Uma pessoa morreu no grupo do placebo devido a um derrame, enquanto as três mortes restantes ocorreram no grupo da vacina - mas não foram atribuídas à vacina. Um paciente teve uma fratura, enquanto os outros dois apresentavam condições subjacentes e desenvolveram sintomas de Covid-19 quatro a cinco dias após a primeira dose da vacina, o que indicava que eles haviam sido infectados antes do ensaio, sugeriram os pesquisadores.

“Este recente estudo positivo de fase 3... é altamente encorajador em termos de eficácia, falta de efeitos colaterais graves e proteção aparentemente equivalente em pacientes mais velhos”, disse o Dr. Stephen Griffin, professor associado da faculdade de medicina da Universidade de Leeds.

Este estudo não foi projetado para avaliar a eficácia apenas da primeira dose, mas quando os pesquisadores analisaram o nível de proteção do dia 15 ao 21, a eficácia contra Covid-19 moderada ou grave foi de 73,6%. A equipe está planejando lançar testes para um regime de dose única, batizado de Sputnik V light, nas próximas semanas, disse Kirill Dmitriev, presidente-executivo da RDIF.

+Coronavírus

Sobre o autorMarcos Henderson
Publicitário, músico e, aqui, escrevo sobre o que as diferentes culturas têm a nos dizer. Como artista, celebro a força da arte e conto histórias do entretenimento. Twitter: @marhoscenderson