Diário 24 Horas

Zé Ramalho também se retira do novo álbum de Sérgio Reis

Sérgio Reis perde mais um nome de peso em seu novo álbum de regravações
Sérgio Reis perde mais um nome de peso em seu novo álbum de regravações
Marcos Henderson
PorMarcos Henderson

Sérgio Reis está enfrentando a temida onda de cancelamento que a classe artística tenta evitar a todo custo. Alienado por causas políticas indefensáveis, o cantor prefere gritar a favor do presidente Jair Bolsonaro em manifestações antidemocráticas do que preservar sua bem-sucedida carreira na música sertaneja, perdendo nomes de peso que fariam participações em seu novo álbum de regravações, incluindo Zé Ramalho, o quinto artista a anunciar sua retirada da obra. 

Guarabyra, Guilherme Arantes, Renato Teixeira e Maria Rita também já tinham desistido de participar do novo álbum de Sérgio Reis, alegando incompatibilidade com o posicionamento explícito a favor do atual governo, que além de cometer repetidos equívocos no combate à pandemia de Covid-19, desconsidera lutas de grande relevância em suas pautas urgentes, que se resumem a reformas tributárias, privatizações e benefícios inexplicáveis à classe empresarial. 

A situação atual fez com que Sérgio Reis fosse comparado a Wilson Simonal (1938 - 2000), que foi amplamente "cancelado" no meio artístico brasileiro por supostamente ter se aliado com o governo ditatorial na década de 1970. 

Recentemente, Sérgio Reis foi alvo de busca e apreensão realizada pela Polícia Federal, como parte da ação que investiga incitação a atos antidemocráticos. O mandado foi expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Na ocasião, o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) disse que "não tem como você ser um político e ficar rico" ou ser um pastor e ficar milionário, a não ser que tenha uma vida dupla como empresário. 

Enquanto isso, Sérgio Reis continua perdendo seu prestígio cultural, mas certamente está com boas estruturas políticas para mante-lo com altos índices lucrativos, principalmente se continuar alimentando o apoio cego a Bolsonaro. 

ComentáriosO que você achou?
Música
Últimas