iFood é 'hackeado' por bolsonarista após romper com Flow e Monark

Os nomes de restaurantes tradicionais disponíveis no iFood foram alterados com frases anti-vacina e favoráveis a Bolsonaro
Os nomes de restaurantes tradicionais disponíveis no iFood foram alterados com frases anti-vacina e favoráveis a Bolsonaro
Marcos Henderson
PorMarcos Henderson

Pouco após romper o patrocínio do Flow Podcast por causa de uma série de publicações racistas de Bruno "Monark" Aiub, o iFood sofreu um ataque bolsonarista que alterou os nomes de alguns dos principais restaurantes tradicionais disponíveis na plataforma para títulos como "Vacina mata", "Lula Ladrão" e ataque diretos a Marielle Franco, prejudicando os estabelecimentos e os usuários que tentavam efetuar um pedido, além de propagar mensagens de ódio na plataforma. 

Apesar de ter sido apontado inicialmente como um ataque hacker, o incidente foi esclarecido posteriormente pelo iFood, que indicou a presença de um agente interno que alterou indevidamente os nomes dos restaurantes. "O incidente foi causado por meio da conta de um funcionário de uma empresa prestadora de serviço de atendimento que tinha permissão para ajustar informações cadastrais dos restaurantes na plataforma, e que o fez de forma indevida", disse o perfil do iFood no Twitter. 

A empresa ainda fez questão de esclarecer para os consumidores que nenhum dado de pagamento sofreu ataques, afastando qualquer possibilidade de roubos de dados.

"É importante destacar que os meios de pagamento dos clientes estão seguros. Os dados de meios de pagamento não são armazenados nos bancos de dados do iFood, ficando gravados apenas nos dispositivos dos próprios usuários, não tendo havido comprometimento de dados de cartões de crédito. Também não há qualquer indício de vazamento da base de dados pessoais de clientes ou entregadores cadastrados na plataforma", esclareceu o iFood em uma série de publicações nas redes sociais. 

A polêmica envolvendo Monark começou há alguns dias, quando o youtuber levou ao extremo sua defesa da "liberdade de expressão", questionando, em um tweet, se "ter opinião racista é crime". Massacrado por advogados, ativistas, marcas e milhares de internautas furiosos, Monark rapidamente perdeu importantes patrocínios no Flow Podcast, incluindo o do iFood e da Trybe.