Bolsonaro contraria Paulo Guedes e nega alta no "Imposto do Pecado"

O presidente desembarcou em Nova Délhi nesta sexta-feira (24)
O presidente desembarcou em Nova Délhi nesta sexta-feira (24)

O presidente Jair Bolsonaro desembarcou em Nova Délhi, na Índia, nesta sexta-feira (24), e logo quando chegou foi questionado por alguns jornalistas sobre a ideia ventilada por Paulo Guedes de elevar o chamado "Imposto do Pecado". “Aumento de imposto para cerveja não”, disse o presidente, que é convidado de honra do governo indiano para os festejos da República programados para o próximo domingo, 26, na região. 

Diversos cartazes e até outdoors foram espalhados pela cidade, desejando boas vindas ao visitante, que comemora o interesse do país em fechar parcerias com o Brasil e espera que a Índia possa consumir mais etanol: “É um grande interesse nosso é que eles usem mais etanol no combustível deles, que daí, entre a lei da oferta e da procura, eles produzem menos açúcar e ajuda a equilibrar o mercado”. 

Com a negativa de Bolsonaro em relação ao aumento dos impostos sobre produtos como cerveja, refrigerante, chocolate, entre outros inclusos na categoria do "pecado", cresce os rumores de falta de sincronia entre o presidente e o ministro da economia, Paulo Guedes, que por sinal viajou a Davos, na Suíça, onde representou o presidente no Fórum Econômico Mundial, onde costumam se reunir os maiores líderes empresariais e políticos do mundo. Para Bolsonaro, talvez não fosse vantagem discursar no Fórum, para não abrir chances de queda em sua popularidade com outros países, sobretudo nesse momento, em que o Brasil subiu da nona para a quarta colocação na lista de países que mais receberam investimento estrangeiro direto em 2019, impulsionado pela esteira de privatizações. 

Comentários

Leia também