Bolsonaristas fazem campanha contra plano de socorro a estados e municípios: "SenadoPL149NAO"

Aprovado por 431 votos a 70, o projeto contraria o Governo Federal e irrita bolsonaristas.
Aprovado por 431 votos a 70, o projeto contraria o Governo Federal e irrita bolsonaristas.
PorMarcos Henderson14/04/2020 11h36

A crise gerada pela pandemia do novo coronavírus continua exigindo medidas drásticas para controle de todos os âmbitos sócio-econômicos do Brasil, e na última segunda-feira (13) foi aprovado pelo Plenário da Câmara dos Deputados o Projeto de Lei Complementar 149/19 que prevê socorro financeiro aos estados e municípios. A iniciativa busca diminuir os impactos na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e do Imposto Sobre Serviços (ISS). 

O texto foi aprovado por 431 votos a 70, mas é firmemente repudiado pelo Governo Federal. Nas redes sociais, bolsonaristas utilizam a hashtag "SenadoPL149NAO" em uma campanha para impedir a validade do projeto que reúne graves acusações a alguns dos deputados que votaram a favor, além dos golpes direcionados ao Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defesas fiéis ao presidente da república Jair Bolsonaro e diferentes interpretações do texto oficial. 

"Agora me explica como isso aconteceu, 431 deputados querendo realmente q o BRASIL QUEBRE, isso é um absuuuurdo, governadores e prefeitos sendo ditadores impedindo o q o povo de trabalhar, mais querem mamar", disse uma internauta, indignada com a aprovação da PLP. "Absurdo, isso é para os governadores fazerem farras. @jairbolsonaro veta isso, eles tem que primeiro diminuir o salários deles para por último tomarem uma medida dessas", disparou um usuário do Twitter, também utilizando as hashtags "CongressoVergonhaNacional" e "CongressoInimigoDoBrasil". 

A PLP 149/19 garante a liberação de empréstimos da União para resolução de problemas financeiros nos estados e municípios mais endividados devido à pandemia. Os repasses devem ser efetuados entre maio e outubro, e para os estados que precisam receber os recursos, será necessário encaminhar o demonstrativo da receita corrente líquida apurada no mês anterior até o dia 15 de cada mês ao Governo Federal.

+Bolsonaro

Comentários

Sobre o autorMarcos Henderson
Publicitário, músico e, aqui, escrevo sobre o que as diferentes culturas têm a nos dizer. Como artista, celebro a força da arte e conto histórias do entretenimento. Twitter: @marhoscenderson