Governo reformula portal da Saúde e o país deixa de aparecer em ranking internacional sobre COVID-19

Os constantes atrasos na divulgação não foram justificados pelo Ministério
Os constantes atrasos na divulgação não foram justificados pelo Ministério
PorBruna Pinheiro07/06/2020 03h10

O Ministério da Saúde reformulou o portal disponibilizado desde o início da pandemia do novo coronavírus no país, após consecutivos dias de atraso na divulgação dos dados. O novo portal não apresenta o total de mortes e histórico da doença, o que levou o país a não aparecer mais no balanço global sobre coronavírus.

Atualmente, o Ministério sofre com desfalque e mudanças internas significativas. Desde a saída do ex-ministro Nelson Teich no dia 15 de maio, o General Panzuelo permanece no cargo mais alto da pasta interinamente, mesmo sem nenhum tipo de conhecimento ou formação técnica na área.

Nesta semana foi divulgado que o empresário Carlos Wizard deve assumir a Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Saúde e informou que o ministério irá revisar os dados de contaminados e mortos por Covid-19, por suspeita de que os estados estariam "inflando" os números. Wizard também não possui formação na área da saúde, mas sim em Estatística pela Universidade Brigham Young (BYU).

A fala de Wizard gerou uma nota escrita pelos Secretários de Saúde dos Estados, por meio do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) pela acusação sem provas. Em determinado trecho citam que "Sua declaração grosseira, falaciosa, desprovida de qualquer senso ético, de humanidade e de respeito, merece nosso profundo desprezo, repúdio e asco. Não somos mercadores da morte. A vida é nosso valor maior, com ela não se negocia, relativiza ou transige".

O presidente Jair Bolsonaro endossou a fala de Wizard ao abordar em entrevista sobre a mudança do site, informando que: "É para pegar o dado mais consolidado. E tem que divulgar os mortos no dia. Ontem, por exemplo, dois terços dos mortos eram de dias anteriores. Tem que divulgar o do dia”.

Com a suspeita em voga, o novo portal sobre o balanço dos casos de coronavírus no país foi reformulado na sexta-feira (5) e deixou de disponibilizar dados como: a curva de casos novos por data de notificação e por semana epidemiológica; casos acumulados por data de notificação e por semana epidemiológica; óbitos por data de notificação e por semana epidemiológica; óbitos acumulados por data de notificação e por semana epidemiológica.

O novo portal não disponibiliza, por exemplo, os dados de óbitos acumulados por data de notificação e por semana epidemiológica.
O novo portal não disponibiliza, por exemplo, os dados de óbitos acumulados por data de notificação e por semana epidemiológica.
O novo portal não disponibiliza, por exemplo, os dados de óbitos acumulados por data de notificação e por semana epidemiológica.

Nesse sábado (6), o Brasil não esteve listado no levantamento da instituição americana, Universidade Johns Hopkins, referência no acompanhamento da doença internacionalmente. Após algumas horas, voltou a aparecer e ainda como segundo lugar no ranking internacional de casos e em terceiro no de óbitos.

No início da tarde de sábado (6), a Universidade Johns Hopkins excluiu o Brasil da relação
No início da tarde de sábado (6), a Universidade Johns Hopkins excluiu o Brasil da relação
No início da tarde de sábado (6), a Universidade Johns Hopkins excluiu o Brasil da relação
Após algumas horas, o país voltou para o ranking
Após algumas horas, o país voltou para o ranking
Após algumas horas, o país voltou para o ranking

O novo formato de disponibilização de dados e esvaziamento de informações previamente facilitado preocupa pesquisadores na área, já que o atual quadro do ministério também não realiza mais com frequência entrevistas coletivas, participação em eventos e a publicidade dos dados é feita a cada dia mais tarde e sem justificativa.

+Ministério da Saúde

Comentários

Sobre o autorBruna Pinheiro
Internacionalista. Escrevo hoje sobre política, economia, filmes e séries. Adoro viajar e comer (não necessariamente nessa ordem). Segue lá @bpinheiro1