Mick Jagger, Lorde e Green Day assinam carta aberta contra uso não autorizado de músicas por políticos

'É hora de agir e garantir que nossas vozes sejam ouvidas',
'É hora de agir e garantir que nossas vozes sejam ouvidas',
PorCarol Souza28/07/2020 14h11

Grandes artistas como Green Day, Mick Jagger, Lorde, Blondie e REM assinaram uma carta aberta nesta semana após alguns episódios com o presidente Donald Trump, para impedir o uso não autorizado de suas músicas em comícios políticos.

Jagger, que já havia denunciado Trump por tocar músicas dos Rolling Stones em seus comícios, uniu forças à extensa lista de artistas e à Aliança dos Direitos do Artista (ARA) antes das eleições nos EUA.

Em uma carta aberta escrita pela ARA, eles exigem que os principais comitês dos partidos políticos nacionais dos EUA "estabeleçam políticas claras que exijam campanhas que busquem o consentimento de artistas, compositores e proprietários de direitos autorais em destaque antes de usarem publicamente sua música em um cenário político ou de campanha".

Outros signatários de destaque incluem artistas como Keith Richards, Pearl Jam, Courtney Love, Elvis Costello e Panic! At The Disco.

Na carta, dirigida aos comitês democráticos e republicanos nacionais, do Congresso e do Senado, a Artists Rights Alliance diz que as campanhas políticas são obrigadas a buscar permissão para usar a música em seus comícios, enquanto os criadores da música tomam a decisão final sobre quem pode fazer uso da música deles.

A carta acrescenta: "Vimos tantos artistas e propriedades arrastados para a política contra sua vontade e forçados a tomar medidas agressivas para proibir o uso de suas músicas - geralmente músicas que são transmitidas durante comícios políticos. Isso pode confundir e desapontar os fãs e até prejudicar a renda de longo prazo de um artista - e principalmente isso não está certo".

"Muitos desses artistas passaram a vida inteira fazendo músicas que todos conhecemos e amamos. No mínimo, deve ser a sua escolha - especialmente nestes tempos hiper-partidários. Com tantos criadores de conteúdo levantando preocupações sobre esse problema, é hora de agir e garantir que nossas vozes sejam ouvidas".

A última ação ocorre depois que Neil Young disse que estava pensando em processar Trump por usar sua música em comícios, informação noticiada aqui no Diário ontem, 27 de julho.

Young, um crítico ferrenho do presidente, condenou o uso de "Rockin' in The Free World" por Trump em seus eventos de campanha várias vezes este ano, chegando a dizer que apesar disso não o processaria, mas diante das recentes ações do presidente em enviar militares contra manifestações de civis, Young disse que mudou de ideia.

Trump, que aparentemente pensa que não precisa de autorização, também recebeu recentemente uma ordem de cessação e desistência do Linkin Park pelo uso não autorizado de sua faixa "In The End" em comícios, seguindo artistas como Dexys Midnight Runners, Panic! At The Disco e The Rolling Stones exigindo que o presidente não use sua música em eventos públicos.

+Green Day

Sobre o autorCarol Souza
Amante do cinema, dos livros e apaixonadíssima pelo bom e velho rock n'roll. Amo escrever e escrevo sobre o que amo. Ativista da causa feminista e bebedora de café profissional. Instagram: @barbooosa.carol