Diário 24 Horas

Eleita 'Mulher do Ano', Cardi B fala sobre política e racismo à Billboard

A cantora reafirma a potência da música 'WAP' para as mulheres em 2020 e condena o ódio gratuito
A cantora reafirma a potência da música 'WAP' para as mulheres em 2020 e condena o ódio gratuito
PorMarcos Henderson

Após ser anunciada como a Mulher do Ano de 2020 pela Billboard, Cardi B recebeu uma chuva de ataques racistas na web, reunindo haters da cantora em gritos relacionados à ausência de um número maior de hits em comparação com outras artistas, entre outros comentários que, ao final da pesagem na balança, só ecoavam verbalizações preconceituosas e gratuitamente indignadas com a conquista. Em entrevista à edição especial da revista, a estrela confessou que, apesar de sentir profundos incômodos com esse tipo de atitude, os ataques só ajudaram a elevar seu marketing. 

Desde que ela explodiu nas paradas de hip-hop três anos atrás, "com sua arrogância do Bronx e rimas explosivas", segundo a revista, cada vitória que ela marca parece ser recebida por tantos fãs aplaudindo quanto aqueles que torcem por sua queda. Como de costume, após a nomeação da Billboard, Cardi B foi ao Instagram e postou um vídeo com uma mensagem dedicada ao público que tanto a odeia: “Para vocês bebês chorões que dizem ‘O quê? Ela só tem uma música!' Sim, eu tenho essa música, vadia". Em seguida, ela enumerou com precisão cada razão pela qual ela é a mulher do ano - provando, pela enésima vez, que ninguém conhece Cardi B melhor do que ela mesma. 

Cardi B posou com looks variados para a edição especial da Billboard
Cardi B posou com looks variados para a edição especial da Billboard
Cardi B posou com looks variados para a edição especial da Billboard

Com seu vídeo marcante e cheio de participações especiais, "WAP" se tornou um grande sucesso em 2020. Ao recrutar Megan para a música e dar a MCs promissores, incluindo Mulatto e Rubi Rose, um destaque no vídeo, Cardi, de 28 anos, faz questão de enaltecer outras mulheres no hip-hop. Ela também chama uma atenção renovada para o fato de que as rappers ainda enfrentam um duplo padrão quando se trata de possuir sua sexualidade. Duas semanas após o lançamento da música, poucos artistas do sexo masculino expressaram seu apoio a "WAP", além do cantor e compositor pop Charlie Puth, que o classificou como "um álbum importante", acrescentando: "Já era hora de algo assim acontecer".

A música tornou-se uma declaração inerentemente feminista - e por sua vez, como Cardi também observou em seu vídeo no Instagram, fez “republicanos chorarem na Fox News”. Em agosto, os analistas conservadores Ben Shapiro, Candace Owens e DeAnna Lorraine mencionaram Cardi por semanas, considerando “WAP” crasso e inapropriado. No entanto, a cantora é enfática ao dizer: “Eu represento a América. Eu queria uma mudança. E é isso que eu fiz."

Cardi afirma que foi uma grande vitória para ela e Megan quando a vitória de Biden foi anunciada e milhares de fãs cantaram "WAP" no lado de fora da Casa Branca. "Estou tão acostumada a ouvir rap feminino atrevido desde que era uma menina - Trina, Khia, Lil ’Kim, Jacki-O, Foxy [Brown]. WAP, para mim, era apenas uma música rap feminina vulgar, mas causou muita controvérsia. Muitos republicanos - não apenas republicanos que conseguiram seguidores no Instagram, mas muitos republicanos que receberam cheques azuis [no Twitter] e milhões de seguidores, [como Ben] Shapiro, Candace Owens, Tomi Lahren - estavam falando muita besteira sobre WAP. Portanto, foi simplesmente uma vitória para mim ver as pessoas celebrando a vitória de Biden com a música minha e de Megan", disse. 

Comentários

O que você achou?
0GosteiGostei
0HahaHaha
0TristeTriste
0DetesteiDetestei
3AmeiAmei
0AffAff
Sobre o autorMarcos Henderson
Publicitário, músico e, aqui, escrevo sobre o que as diferentes culturas têm a nos dizer. Como artista, celebro a força da arte e conto histórias do entretenimento. Twitter: @marhoscenderson