Diário 24 Horas

Patty Jenkins expõe 'guerra' com a Warner Bros. por causa de Mulher-Maravilha

A cineasta afirma que os executivos estavam mais interessados ​​na ótica de ter uma mulher dirigindo o filme do que nas ideias da diretora em si.
A cineasta afirma que os executivos estavam mais interessados ​​na ótica de ter uma mulher dirigindo o filme do que nas ideias da diretora em si.
PorMarcos Henderson

Lançado em 2017, "Mulher-Maravilha" foi considerado uma obra-prima dos filmes de super-heróis, mas de acordo com a diretora Patty Jenkins, houve uma "guerra interna" com os executivos da Warner Bros. antes da aprovação do roteiro, que passou por diversas modificações até que a visão da cineasta pudesse ser evidenciada. 

Em uma recente aparição no podcast "WTF", de Marc Maron, para promover a nova sequência de sucesso do filme, "Mulher-Maravilha 1984", Jenkins explicou que os chefes do estúdio estavam mais interessados ​​na ótica de ter uma mulher dirigindo um filme de super-heróis centrado em mulheres do que nas ideias da diretora em si.

“Todos na indústria queriam me contratar”, disse a cineasta de 49 anos. “Mas eu senti que eles queriam me contratar como uma barba; eles queriam que eu andasse pelo set sendo uma diretora mulher - mas era a história deles e a visão deles”. “Havia tanta desconfiança em uma maneira diferente de fazer as coisas e um ponto de vista diferente”, continuou Jenkins, que ainda disse que eles sequer queriam ler o roteiro que ela escreveu originalmente. 

Leia mais: DC lança a primeira HQ de Yara Flor, a Mulher-Maravilha brasileira

“Mesmo quando eu entrei em 'Mulher Maravilha', era tipo 'Uhh, sim, ok, mas vamos fazer de outra forma'. Mas eu estava tipo 'As mulheres não querem ver isso. Ela sendo dura e dura e cortando a cabeça das pessoas... Sou fã da 'Mulher Maravilha', não é isso que estamos procurando'. Ainda assim, eu podia sentir aquele nervosismo trêmulo [da parte deles] do meu ponto de vista.”

“Durante aquele período, havia tantos scripts", disse Jenkins, observando que a Warner passou por cerca de 30 roteiros ao longo dos anos. “Houve uma guerra interna em todos os níveis sobre o que a 'Mulher-Maravilha' deveria ser.”

Os chefes, aparentemente preocupados com a "inviabilidade" do projeto na época, "estavam todos assustados com todos os filmes de super-heróis femininos que falharam, os menores que falharam”, lamentou Jenkins, “e também Christopher Nolan estava fazendo a coisa de 'Cavaleiro das Trevas', então eu acho que eles estavam apenas tentando descobrir o que eles fariam com a DC naquela época”.

Jenkins disse que após um ano e meio do lançamento do filme, o estúdio a contatou novamente, perguntando se ela gostaria de fazer um segundo filme do próprio jeito. "E bum, acabei de fazer o filme", disse a diretora no podcast. 

+Filme

Sobre o autorMarcos Henderson
Publicitário, músico e, aqui, escrevo sobre o que as diferentes culturas têm a nos dizer. Como artista, celebro a força da arte e conto histórias do entretenimento. Twitter: @marhoscenderson