Diário 24 Horas

Ameaçado, Trump condena invasão ao Capitólio e reconhece vitória de Biden

O presidente mudou o posicionamento após ameaças de impeachment
O presidente mudou o posicionamento após ameaças de impeachment
PorMarcos Henderson

O presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu dar meia volta em seu posicionamento diante da vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais. Em uma mensagem de vídeo veiculada na noite de quinta-feira (7), ele condenou a invasão do Capitólio, que ocorreu após ele próprio impulsionar os apoiadores a agirem. Para completar o discurso, Trump disse que iria se preparar para entregar a administração ao democrata. 

“Os manifestantes que se infiltraram no Capitólio contaminaram a sede da democracia americana”, disse Trump sobre a violência, que deixou várias pessoas mortas. “Aos que praticam atos de violência e destruição: vocês não representam nosso país. E para aqueles que infringiram a lei: vocês vão pagar.”

O vídeo seguiu uma onda de demissões de sua administração e telefonemas de congressistas democratas, ex-assessores da Casa Branca, líderes empresariais e até mesmo da página editorial do Wall Street Journal para a remoção de Trump do cargo por causa de seu papel na incitação à insurreição. Membros do Congresso também discutiram o impeachment.

Antes que multidões de seus apoiadores marchassem no Capitólio, sobrecarregassem as barricadas policiais e invadissem o prédio, Trump, em um discurso inflamado ao meio-dia de quarta-feira (6), os incentivou a “parar com o roubo” e defender sua presidência. Ao incitar a multidão, ele repetiu falsas alegações de fraude eleitoral, mesmo quando as duas casas do Congresso se preparavam para certificar a vitória de Biden na votação do Colégio Eleitoral.

Um oficial da Polícia do Capitólio dos EUA morreu devido aos ferimentos que sofreu "enquanto se envolvia fisicamente com os manifestantes" durante os distúrbios, de acordo com o departamento. O oficial foi a quinta pessoa que morreu em conexão com o ataque.

Trump pediu “cura e reconciliação” e disse que voltaria seu foco para a transição, em uma mensagem que parecia destinada a reprimir o crescente alarme até mesmo entre seus aliados e assessores mais próximos. “Uma nova administração será inaugurada em 20 de janeiro”, disse o presidente. “Meu foco agora é garantir uma transição de poder suave, ordenada e contínua.”

O vídeo foi divulgado no final de um dia de crescentes demandas pela sua saída imediata do cargo - embora seu mandato termine em 20 de janeiro. Elas incluíam pedidos de demissão, um novo inquérito de impeachment e para o vice-presidente Mike Pence realizar um processo constitucional extraordinário para expulsá-lo.

+EUA

Sobre o autorMarcos Henderson
Publicitário, músico e, aqui, escrevo sobre o que as diferentes culturas têm a nos dizer. Como artista, celebro a força da arte e conto histórias do entretenimento. Twitter: @marhoscenderson