Carla Zambelli convoca manifestação pró-Bolsonaro no Dia da Independência

Apoiadores do governo programam concentração em frente à Fiesp no dia 7 de setembro. Foto: Ueslei Marcelino
Apoiadores do governo programam concentração em frente à Fiesp no dia 7 de setembro. Foto: Ueslei Marcelino
PorMarcos Henderson02/09/2020 11h38

Em um contexto geral, o Brasil ainda enfrenta uma difícil fase da pandemia de Covid-19, com uma taxa alta de contágio, apesar de ter alcançado o menor índice desde abril, segundo relatório semanal do Imperial College London, e um total de 122.173 mortes no total (859 nos últimos sete dias). Para os conservadores, a situação é completamente diferente, com milhares de pessoas reunindo-se em aglomerações fervorosas nas ruas para ovacionar as visitas do presidente Jair Bolsonaro em seus estados.

Dito isso, a deputada federal Carla Zambelli aproveitou a manhã desta quarta-feira (2) para convocar uma manifestação popular em 7 de setembro, Dia da Independência do Brasil. 

Carla Zambelli disparou o convite para a manifestação nas redes sociais
Carla Zambelli disparou o convite para a manifestação nas redes sociais
Carla Zambelli disparou o convite para a manifestação nas redes sociais

"Todos os anos anteriores, desde 2011, a gente faz essa manifestação", explica a sorridente Zambelli, que aparentemente esqueceu dos riscos à população ao justificar o "ato patriótico" com base na regularidade dos anos anteriores. A concentração está programada para acontecer em frente à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a partir das 14h, e já promete grande público, pelo menos se depender da empolgação dos internautas, que utilizam a região de comentários da publicação original para elogiar o presidente e todas as suas ações governamentais.

Conservadores sugerem boicote à Hotmart

Em meio às organizações para o ato do dia 7, conservadores também disparam xingamentos contra a Hotmart, depois que Gabriela Prioli ofereceu um curso de política de R$ 487 na plataforma. Revoltados, os internautas acusam o site de priorizar "conteúdo esquerdista" e bloquear conteúdos conservadores. 

Em resposta, a empresa afirma que não aceita novas vendas de periódicos políticos desde o dia 25 de junho. "Cursos sobre política de direita ou esquerda, conservador ou progressista, continuam sendo MUITO bem-vindos, desde que sigam os Termos de Uso", explicou a Hotmart em publicação nas redes sociais. 

+Bolsonaro

Comentários

Sobre o autorMarcos Henderson
Publicitário, músico e, aqui, escrevo sobre o que as diferentes culturas têm a nos dizer. Como artista, celebro a força da arte e conto histórias do entretenimento. Twitter: @marhoscenderson