Diário 24 Horas

Marcelo Queiroga diz que seguirá política de Bolsonaro no Ministério da Saúde

O novo ministro da Saúde elogiou o desempenho de Pazuello e afirmou que Bolsonaro está pensando 'diuturnamente' nos problemas da pandemia
O novo ministro da Saúde elogiou o desempenho de Pazuello e afirmou que Bolsonaro está pensando 'diuturnamente' nos problemas da pandemia
PorMarcos Henderson

Marcelo Queiroga, anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro como o novo ministro da Saúde, afirmou nesta terça-feira (16) que executará a política definida pelo governo federal. Ele falou com a imprensa ao chegar na primeira reunião com o atual ministro da pasta, Eduardo Pazuello, que chegou a alegar que não deixaria o comando do ministério no final de semana. 

Queiroga será a quarta pessoa a comandar o Ministério da Saúde desde o início da pandemia. Pazuello deixará o cargo devido às constantes pressões para sua retirada, sobretudo após a negligência que culminou no colapso das unidades de saúde no Amazonas, somada à lentidão no programa de vacinação. 

Queiroga aceitou comandar a pasta depois que a cardiologista Ludhmila Hajjar negou o convite de Bolsonaro, alegando divergências com o presidente sobre as estratégias de combate à pandemia, postura totalmente inversa ao que foi demonstrado por Queiroga, também cardiologista e Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, em rápida conversa com repórteres na manhã desta terça-feira. 

"O governo está trabalhando. As políticas públicas estão sendo colocadas em prática. O ministro Pazuello anunciou todo o cronograma da vacinação. A política é do governo Bolsonaro. A política não é do ministro da Saúde. O ministro da Saúde executa a política do governo. Ministro Pazuello tem trabalhado arduamente para melhorar as condições sanitárias do Brasil e eu fui convocado pelo presidente Bolsonaro para dar continuidade a esse trabalho", disse Queiroga, que ainda foi além na exaltação ao governo, afirmando que o presidente está "muito preocupado com essa situação". 

"Ele [Bolsonaro] tem pensado nisso diuturnamente. Vamos buscar as soluções. Não tem vara de condão", afirmou o novo ministro da Saúde, que já havia sido indicado por Bolsonaro, em dezembro de 2020, para ser um dos diretores da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), restando apenas a votação do Senado. 

Comentários

O que você achou?
0GosteiGostei
0HahaHaha
0TristeTriste
0DetesteiDetestei
0AmeiAmei
1AffAff
Sobre o autorMarcos Henderson
Publicitário, músico e, aqui, escrevo sobre o que as diferentes culturas têm a nos dizer. Como artista, celebro a força da arte e conto histórias do entretenimento. Twitter: @marhoscenderson