J.K. Rowling diz em rede social que os gays estão experimentando um "novo tipo de terapia de conversão"

Autora da amada saga 'Harry Potter' comparou a terapia de reposição hormonal a antidepressivos e deu like em um tweet que diz que a reposição é 'preguiça pura para aqueles que preferem medicar a dedicar tempo e esforço para curar a mente das pessoas'.
Autora da amada saga 'Harry Potter' comparou a terapia de reposição hormonal a antidepressivos e deu like em um tweet que diz que a reposição é 'preguiça pura para aqueles que preferem medicar a dedicar tempo e esforço para curar a mente das pessoas'.
PorCarol Souza06/07/2020 20h11

Apesar de escrever um manifesto pró-TERF de 3.600 palavras, a autora J.K. Rowling aparentemente tem mais bobagens para vomitar em relação à comunidade de transgêneros.

Em uma nova série de tweets, Rowling argumentou que os gays que estão lutando com problemas de saúde mental estão sendo equivocados ao empreender "um novo tipo de terapia de conversão" que envolve hormônios e cirurgia. Ela também comparou os hormônios - uma etapa comum de afirmação de gênero no processo de transição das pessoas trans - aos antidepressivos e chamou as ações daqueles que usavam antidepressivos como "preguiça pura".

Tudo começou no domingo (5), quando Rowling deu like em um tweet que comparava hormônio a antidepressivos. "As prescrições hormonais são os novos antidepressivos", diz o tweet em questão. "Sim, às vezes são necessárias e salvam vidas, mas devem ser o último recurso. Preguiça pura para aqueles que preferem medicar a dedicar tempo e esforço para curar a mente das pessoas".

Sabe-se que pessoas trans sofrem de disforia de gênero, que geralmente anda de mãos dadas com a depressão. A reposição da terapia hormonal ajuda muito na disforia de gênero e, portanto, na depressão, mas dificilmente é a mesma coisa que os antidepressivos. Ao dar seu "like" no tweet problemático, Rowling invalidou a importância dos hormônios para as pessoas trans (sem mencionar que ela se exibiu, novamente, como completamente ignorante sobre a experiência trans). Ela também sugeriu que aqueles com depressão estão buscando uma saída fácil tomando remédios e que toda depressão pode ser simplesmente resolvida com "tempo e esforço".

À moda Rowling, a autora de "Harry Potter" não se desculpou depois de ser exposta pelo like ao tweet. Em vez disso, ela alegou que toda a interação nas mídias sociais foi falsificada. "Eu ignorei os tweets falsos que me foram atribuídos e dei RT amplamente", escreveu ela. "Eu ignorei a pornografia twittada para crianças sob pretexto de ser arte. Eu ignorei ameaças de morte e estupro. Não vou ignorar isso".

Mas a versão de Rowling sobre "não ignorar isso" na verdade significava defender e dobrar a suposta retórica do tweet "falso". Em postagens subsequentes no Twitter, ela vilanizou o uso de tratamento hormonal e divulgou desinformação sobre os cuidados médicos que as pessoas recebem.

"Muitos profissionais de saúde estão preocupados com o fato de os jovens que lutam com sua saúde mental estarem sendo desviados para hormônios e cirurgias quando isso pode não ser do seu interesse", escreveu Rowling. Em um tweet especialmente flagrante, ela disse que a sociedade está vendo "um novo tipo de terapia de conversão para jovens gays que estão sendo encaminhados para um caminho de medicalização ao longo da vida que pode resultar na perda de sua fertilidade e/ou função sexual completa". Em essência, ela acredita que os indivíduos estão sendo levados a serem trans sem entender completamente as repercussões médicas.

Embora seja verdade que a cirurgia e o arrependimento de transição existam na comunidade trans, isso ocorre em uma escala muito mais baixa do que Rowling está retratando em suas redes sociais. Há também muitas razões pelas quais esse arrependimento existe, nenhum dos quais ela aborda. A porcentagem real de quem escolhe a detransição oscila entre 0,04% e 8%, dependendo da pesquisa, de acordo com o Centro Nacional de Igualdade Transgênero dos EUA.

Ao promover uma série de mensagem de forma tão mal informada, Rowling continua colocando as pessoas trans em grande risco - o tipo que leva o governo dos EUA a revogar completamente os direitos à saúde trans.

"Acho que a razão pela qual as histórias de detransição são populares nesse período é que se encaixa perfeitamente nessa ideia de que os jovens estão sendo transformados em trans", disse à NBC Lui Asquith, consultora jurídica do grupo LGBTQ do Reino Unido, "Mermaids", no ano passado. 

"A mídia está provocando um pânico em relação às vidas trans, e as primeiras vítimas desse pânico são os jovens que estão sendo indiretamente informados de que são uma fase".

Em outros lugares, Rowling admitiu que usou antidepressivos no passado "e eles me ajudaram". Infelizmente, sua própria experiência pessoal positiva com eles aparentemente não resultou em um pingo de compaixão ou maior entendimento sobre problemas de saúde mental. Como está se tornando dolorosamente óbvio, todas as opiniões controversas de Rowling - sejam sobre antidepressivos ou sobre pessoas trans em geral - vêm de um lugar de profunda insegurança, como observou recentemente o premiado autor trans Thomas Page McBee.

"Pensei muito no que enriquece pessoas como J * R * obcecadas por / ameaçadas por pessoas trans, e a única explicação que faz sentido é o que os sociólogos chamam de 'ameaça de identidade': uma escassez em sua mentalidade que as faz pensar que as identidades dos outros literalmente ameaçam as sua próprias", explicou ele no Twitter. "É o alicerce fundamental da fragilidade branca, da defesa do 'pânico gay' e de inúmeras outras formas de dano perpetuadas por pessoas ameaçadas e poderosas que se sentem justificadas em defender seu 'modo de vida' da mera existência das pessoas, e as desumanizam."

Vale lembrar que por causa das posições transfóbicas de Rowling, os três principais atores da saga "Harry Potter" nos cinemas - Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint - emitiram declarações condenando a autora dos livros, assim como Eddie Redmayne, a estrela da franquia cinematográfica de "Animais Fantásticos" de Rowling, que inclusive interpretou a transgênero Lili Elbe em "The Danish Girl", uma das primeiras a submeter-se a uma cirurgia de redesignação sexual.

+J.K. Rowling

Sobre o autorCarol Souza
Amante do cinema, dos livros e apaixonadíssima pelo bom e velho rock n'roll. Amo escrever e escrevo sobre o que amo. Ativista da causa feminista e bebedora de café profissional. Instagram: @barbooosa.carol