Saiba quanto vai custar gasolina e diesel após novo reajuste da Petrobras

O anúncio de reajuste da Petrobras prevê alta de 7,04% para a gasolina e 9,15% para o diesel a partir da próxima terça-feira (26)
O anúncio de reajuste da Petrobras prevê alta de 7,04% para a gasolina e 9,15% para o diesel a partir da próxima terça-feira (26)
Marcos Henderson
PorMarcos Henderson

Os preços da gasolina e do diesel irão sofrer um novo aumento expressivo para o consumidor final a partir da próxima terça-feira (26), após o anúncio de reajuste da Petrobras que prevê uma alta de 7,04% para a gasolina e 9,15% para o diesel. Com isso, o preço médio de venda da gasolina nas refinarias passará de R$ 2,98 para R$ 3,19 por litro, e o diesel passará de R$ 3,06 para R$ 3,34 por litro. 

A alta da gasolina no acumulado do ano já chega a 73,4%, enquanto o diesel atinge alta acumulada de 65,3%. Levando-se em conta que o preço médio da gasolina estava em torno de R$ 6,36, com o valor máximo atingindo a casa de R$ 7,46, os consumidores já entram em estado crítico de alerta para os valores atualizados dos próximos dias.

Já o óleo diesel registrava preço médio de R$ 5,04 e máximo de R$ 6,42 por litro na semana passada. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). 

De acordo com o comunicado da Petrobras, o reajuste é necessário para "garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras", disse a nota publicada pela estatal nesta segunda-feira (24).

Seguindo os mandamentos da Petrobras em praticar o Preço de Paridade Internacional (PPI), os reajustes continuam baseados nas flutuações do mercado internacional, recebendo uma enorme carga de influência do dólar e da cotação internacional do petróleo na formulação do preço do combustível em território brasileiro. 

Através de relatos e comunicados genéricos, a Petrobras afirma que a prática do PPI se mostra "especialmente relevante no momento que vivenciamos, com a demanda atípica recebida pela Petrobras para o mês de novembro de 2021".