Diário 24 Horas

Ovo de Páscoa que incita o bullying é retirado pelo Procon-RJ

Ovo de Páscoa que incita o bullying é retirado pelo Procon-RJ
Diário 24 Horas
PorDiário 24 Horas

Na tarde desta quarta-feira, O Procon do Rio de Janeiro informou que retirou os  ovos de páscoa Bis Xtra + Chocolate, da Lacta das prateleiras de supermercados e lojas de departamento. De acordo com o órgão, o produto incita crianças e adolescentes à prática de bullying, entrando em desacordo com o artigo 37, parágrafo 2°. A medida foi aberta a partir de notícia veiculada em jornais e protestos nas redes sociais.

A frase utilizada na embalagem do produto diz: "personalize a embalagem com adesivos e sacaneie seu amigo" em referência aos adesivos são adquiridos dentro do ovo com as expressões  'morto de fome', 'nerd' e 'nervosinho'. 

"A Páscoa possui uma mensagem de paz e confraternização e esta campanha manda sacanear os outros? Quem elaborou essa campanha é sem noção", diz a secretária de Estado de Proteção e Defesa do Consumidor, Cidinha Campos.

O órgão diz em nota que "em épocas onde as questões relativas ao bullying estão sendo discutidas é inadmissível que um produto direcionado a crianças e adolescentes incite qualquer tipo de violência (como no caso, a verbal) entre eles".

O Procon também instaurou um processo administrativo contra a fabricante do ovo, a Mondelez Brasil, para suspensão da comercialização dele. De acordo com o Procon, os gerentes dos estabelecimentos que forem visitados pelos fiscais ficam responsáveis por informar a todas as filiais da rede em que trabalham sobre a suspensão da venda do produto.

"O processo determina que as vendas do ovo Bis Xtra + Chocolate estejam suspensas até que a mensagem em sua embalagem seja alterada e deixe de conter os textos de incitação à prática de bullying", afirma o órgão.

A Mondelez Brasil, responsável pela marca Lacta, afirmou em nota que não foi notificada pelo Procon-RJ, até agora, de qualquer questionamento oficial envolvendo o ovo de Páscoa Bis Xtra e, por esse motivo, não comenta o caso. 

ComentáriosO que você achou?
Notícias
Últimas