Olimpíadas de Tóquio ainda podem ser canceladas, diz organizador

Devido ao aumento do número de casos da Covid-19 no Japão, os organizadores dos Jogos ainda podem optar por um cancelamento de última hora
Devido ao aumento do número de casos da Covid-19 no Japão, os organizadores dos Jogos ainda podem optar por um cancelamento de última hora
Marcos Henderson
PorMarcos Henderson

O chefe do comitê organizador de Tóquio 2020, Toshiro Muto, afirmou nesta terça-feira (20) que não descarta a possibilidade de um cancelamento de última hora das Olimpíadas, já que um número grande de atletas testou positivo para Covid-19 e alguns dos principais patrocinadores abandonaram os planos de comparecer à cerimônia de abertura programada para a próxima sexta-feira (23).

Questionado em uma entrevista coletiva se a mostra esportiva global ainda pode ser cancelada, Toshiro Muto disse que ficaria de olho nos números de infecções e entraria em contato com outros organizadores, se necessário. “Não podemos prever o que acontecerá com o número de casos de coronavírus. Por isso, vamos continuar as discussões se houver aumento de casos”, disse Muto.

“Concordamos que, com base na situação do coronavírus, convocaremos novamente as negociações de cinco partes. Neste ponto, os casos de coronavírus podem aumentar ou diminuir, então vamos pensar sobre o que devemos fazer quando a situação surgir.”

Os casos de Covid-19 estão aumentando em Tóquio, e os Jogos, que já tinham sido adiados em 2020 por causa da pandemia, estão programados para acontecer sem espectadores. A decisão sobre a ausência de público nos locais das competições aconteceu este mês, devido ao aumento de casos e os maiores riscos à saúde pública. 

Somente entre os credenciados do Japão para os Jogos, foram registrados 67 casos de infecção por Covid-19 desde 1º de Julho, quando vários atletas e oficiais começaram a desembarcar, segundo informações divulgadas pelos organizadores nesta terça-feira.

Muto é conhecido pela constante escolha cuidadosa de palavras, mas suas afirmações devem seguir apenas um plano tranquilizador em relação ao bom-senso dos organizadores, que prometeram manter as Olimpíadas Tóquio 2020 em pleno funcionamento.

Seiko Hashimoto, que senta ao lado de Muto como presidente do comitê organizador, disse que as medidas de segurança introduzidas para tranquilizar o público japonês não foi feita por completo e que há um número decrescente de apoiadores aos Jogos no país.